by Ana

Um espaço para partilhar as "tolices" de cada dia, de uma forma descontraída, descomprometida e com algum sentido de humor. Only that.

sábado, 25 de dezembro de 2010





O SHE E EU ESTAMOS DE LUTO.
Espero, sinceramente, conseguir voltar às lides, um dia destes...

Nasceu, cresceu e morrererá porque a pó tudo se reduz, tal como os sentires e as promessas de outrora ou mesmo de ontem.
Neste dia de natal que se quer de amor entre os povos e por acréscimo das leis dos homens, ainda mais entre os que se dizem e pensam queridos, de um lado, não houve lugar nem a uma palavra, doutro, a promessa esvaiu-se numa apressada proposta desconcertantemente humilhante.
E o natal ficou feito, para o resto dos tempos.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

I'm so pretty!


Já se imaginaram entrar numa grande superfície comercial tipo Ikea, Almada Fórum, CC Vasco da Gama ou qualquer coisa semelhante, em plena época natalícia, estilo hora de ponta?
Não? Pensem bem. Quando todos se lembram de fazer as últimas compras, de confluir para o mesmo espaço, na mesma hora. Aquele espaço super iluminado de estrelinhas e bolinhas e fitinhas e anjinhos. Isso! Já estão a ver o filme?
Agora imaginem que vão a entrar num espaço desses e de repente o mundo pára de girar em torno do sol e começa a girar em torno de vós. Todas as atenções se dirigem para vocês, um simples mortal, acabadinho de entrar por aquela porta automática, a mesma de sempre. 
Os olhos, as cabeças, os troncos e os membros de todos os outros giram na vossa direcção. E vocês continuam. Acham-se o máximo, sem saber muito bem porquê, e lá continuam deslizando naquela passarelle, dos vermelhos e dourados, de mala ao ombro, cabeça erguida, direitinhos ao alvo.
Continuam, apesar dos risos e sorrisos. Devolvem, pagam da mesma moeda. Sorriso com sorriso se paga.
Chegam ao vosso destino, pedem o "habitual", sentam-se na mesa, estendem o jornal à vossa frente, traçam a perna e desligam do efeito que a vossa aura sedutora causa nos demais.
Do pé para a mão, sem avisar, eis que uma voz que conhecem desde as vossas entranhas, entra no café e quase que grita:
- Mãe! Vieste vestida de robe para o Fórum!!!!!

P.S.: Era um robe com classe!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Fado, Fardo e Farpas

video
Vídeo enviado por e-mail

Hablas Espanhol?

Um azar nunca vem só e eu nasci azarada!
Imagine-se que nasci mulher e ainda por cima não espanhola!
Querem ler o que aconteceu comigo, ontem?
Como mulher, azarada, consumo aqueles produtos de higiene íntima, para aqueles dias do mês, que só as desgraçadas que nascem mulheres é que experimentam todos os meses, duma marca espanholita, super conhecida. Os chamados pensos, em português, compressas, em espanhol.
Claro que me abasteço sempre em mercado luso, a bem da economia do nosso país, mesmo sabendo que os pacotes são importados de Espanha.
Ora ontem, fui reforçar o meu stock aqui à loja Continente da minha aldeia e toda pimpona apressei-me a apresentar na caixa o vale de desconto que me saíra em sorte na última embalagem que eu tinha comprado, por acaso na mesma loja. 
Sou boa a contas e 2x2 dá 4 que é a raiz quadrada de 16 que a dividir por 2 dá 8 que dividindo por ele próprio dá 1 e multiplicando por 0 dá 0, aquela embalagem, ao deduzir o vale de desconto ficava quase à borlix! Uma justo agradecimento às mulheres que sacrificam uma vida a bem do fim único e sacrossanto do seu aparelho reprodutor, a procriação e a propagação da espécie.
Com o sorriso igual ao da imagem de cima, olhei para o operador de caixa que me devolvia os vales dizendo que os mesmos não podiam ser deduzidos!
"Não podem, ora essa?"
" Não, minha senhora, não podem porque estão escritos em espanhol e o sistema não lê vales escritos em espanhol. Esses vales só são válidos em Espanha."
Nasci duplamente azarada, mulher e não espanhola, mas deu-me um arrepiozinho pela espinha acima como  só dá as portuguesinhas de gema e vá de arregaçar mangas, afinar a voz e botar a boca no trombone!
" Ah, pois, só os códigos de barra para pagar, não para descontar" 
Já berrei, já escrevi , já denunciei. 
Agora fico à espera que me acusem de ter abusado sexualmente da Julieta, a gata da We, e me levem dentro, porque o Continente é o COOOOOONNNNTINENTE , a Evax é a EVAAAX e eu sou eu.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Sangrias


Dei por mim a reflectir sobre os tratamentos médicos da idade da pedra lascada, aqueles que utilizavam sanguessugas, para retirar os fluidos corporais e assim o mal dos desgraçados que caiam nas mãos dos físicos de então. Grande parte das vezes não morriam do mal, mas morriam da cura. No entanto, as sanguessugas, essas, que eu saiba, nunca se soube que se tivessem queixado...

Cá comigo foi assim:
Tinha um bicharoco que se tinha alojado na minha borboleta, um órgão vital que produz uma série de hormonas:  as do bom feitio, as da elegância, as dos olhos bonitos, sei lá....
Solução dada -Tira-se a borboleta (a glândula)! O bicharoco vem atrás e o problema fica resolvido! (pensavam os eruditos  na matéria). 
Enganaram-se os eruditos. O bicho parece que se tinha evadido para as vizinhanças antes de  me despojarem da borboleta. Espertos, estes bichos...
Segunda fase de ataque (segunda tentativa) - Tiram-lhe a pílula (que fiquei a tomar em substituição da borboleta) que parece que ele (o bicho) gosta (e eu também). Vão dar-lhe fome de hormonas (e a mim também), enfraquecê-lo (e a mim também), desesperá-lo (e a mim também).  Dão-lhe umas substâncias químicas fantasma (e a mim também), debilitam-o ao máximo (e a mim também), para depois entrar na 
Terceira fase (e última) - Com a fome de iodo com que ele está ( e eu também), vão servir-lhe iodo radioactivo (e a mim também). Vai deliciar-se (e eu também), absorver o radioactivo todinho (e eu também) e morrer de barriga cheia de radioactividade ( e eu???).
Este é o plano de tratamento para erradicar o bicharoco de dentro de mim (e a mim do mapa ???).

Bom, comecei ontem a segunda fase. 
Estou a tomar umas pílulas fantasmas, sem hormonas do bom feitio, mas continuo bem humorada; sem hormonas da elegância e elegante que nem uma aliá (que para quem não sabe é a fêmea do elefante)...
Penso nas sanguessuga que nunca se queixaram, nunca sofreram o perigo de extinção e sempre as conheci bem gordinhas. Por outro lado, os pacientes não morreram do mal mas muitas das vezes  foram-se com a cura...,ahahahaha!!!!!
Estava só a brincar!!!!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O Que Faz Falta

Sem ponta de humor seja ele de que cor for, sem laivo de sarcasmo, sem pingo de hipocrisia, tomei consciência, acordei para o Estado da Nação.

Dei de caras com o absurdo, não com a crise, mas com a insensatez, com o despropósito, com a demência a que, passo a passo, chegámos.

Como milhares de portugueses sofro de azia crónica. Há um fogo que arde por dentro que, se não for controlado, me consome as entranhas, arde sem se ver e até sou capaz de o cuspir, assim esteja eu virada do lado do avesso, ou acorde com os pés de fora, por via das notícias que ficaram a digerir na noite anterior. Como milhares de outros portugueses, certamente.

Como estes milhares, tenho de tomar umas pílulas todas as noites e/ou todas as manhãs, para que suporte melhor estas azias da vida, estas amarguras da noite, estes fogos que ardem mas que não se vêem. Estas pílulas, imprescindíveis ao meu bem estar e ao bem estar dos outros milhares de portugueses que descontam, tal como eu, para essa coisa do Estado Providência e que, se não lutaram ou festejaram uma revolução de cravos sem sangue porque ainda eram novos, cresceram a pensar que nunca na vida teriam de lutar por fazer uma outra revolução, pois a memória de um povo é o seu património mais valioso, a sua história e jamais será esquecida, dizia eu, estas pílulas eram quase ao preço da chuva, da uva mijona, como dizia a minha avó, que sabia o valor das coisas. Hoje, acordei com os pés de fora, estava cheia de fogo por dentro por via daqueles assuntos que me andam a incomodar, pois ainda não percebi se me devo preocupar mais com o preço do gasóleo que não pára de aumentar, assim como a taxa de referência da Euribor, ou com o que a Wikilieaks anda a revelar. Tive de recorrer à pílula da digestão fácil. Era a última do blister e da caixa. Peguei na receita que tenho sempre em casa e fui à farmácia comprar mais uma caixinha, do genérico. Sim, do genérico, que eu não alimento vaidades e muito menos laboratórios farmacêuticos. Quando ia para pagar pensei que a conta se referia a senhora do lado que aviava uns quantos cremes anti rugas. Mas não. Era a minha conta mesmo.

- Sabe, é que dantes (como se o dantes fosse o tempo da outra senhora), estes medicamentos tinham uma portaria especial, que agora deixaram de ter - apressou-se a farmacêutica a explicar, antes mesmo que eu perguntasse.

Como estas pílulas para curar as azias da vida, outras deixaram de ser comparticipadas ou "tão comparticipadas". Quem tem dores de reumático, por exemplo, que se deite o chão, que dizem os antigos sempre foi o melhor colchão ortopédico; quem sofre de tensão arterial elevada, pois que dê um litrinho de sangue todas as semanas, diminui a quantidade em circulação, logo desce a tensão e faz bem ao banco de sangue; quem anda deprimido, que saia para a rua e brinde ao astro rei, ria muito que faz bem à pele, além que rir sempre foi o melhor remédio.

Creio que, tal como eu, há muitos portugueses com azia, com fogo e pêlo na venta!

Calamos?

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Se uma verdade incomoda muita gente, muitas verdades........


Nunca pensei assistir a tão fabuloso espectáculo de sapateado sobre o arame da ilustre cena da diplomacia internacional.
De mestre! A força talibã dos tempos novos tempo, o poderoso quarto poder, anteriormente chamado comunicação social, hasteando a bandeira da  democracia e do direito universal à verdade (única e indivisível).

É adorável ver a Hillary C. no papel de Fátima Lopes num programa "Tardes da Fátima"  dedicado ao tema " M..... no ventilador".

Hillary entra nos estúdios A da cena internacional, a dois passos do proscénio, senta-se na sua cadeira de manobradora de palcos e bastidores e começa: 

- O programa de hoje é dedicado ao aleive a que todos assistimos e que se dá pelo nome de Wiki... ai que até me custa pronunciar... Wiki, Wikileaks.- conclui, por fim.
- Há vidas em jogo! - declara, com aqueles olhos azuis lacrimejantes de senhora de meia idade, frente às câmaras. 
-Não se pode fazer isto, é barbárie! - continua, enquanto tira o lencinho bordado com as iniciais do seu fiel Bill, de dentro da manga do camiseiro de seda.
- Como convidados e para provar a inocência de todos os visados, aqui estão um punhado deles próprios, para que possam provar eles mesmos a ignomínia selvagem, o terror mórbido, a mentira atroz que esse tal de Julian A. espalha através dos meios que ainda, - sublinha-  tem ao seu alcance.
- Sr. Presidente da estimada República Russa, Sr Dmitri Medvedev:
- Caríssima Hillary,
- Alguma vez sentiu que nós, seus apoiantes incondicionais, o considerávamos sombra do seu antecessor e actual primeiro ministro, Vladimir Putin?
- Não senhora! Mas que  ideia absurda! Ele até é mais magro que eu!
 - Vejam, senhores espectadores. Calúnia provada!

- Próximo convidado, Sr. Presidente do Afeganistão, Hamid Karzai. Como vai, desde a Cimeira de Lisboa, caro amigo?
- Oi,  Hillary, tudo bem, né? Vocês vão mesmo retirar dentro de quatro anos, não mudaram de ideias, pois não?
- Amigo, Barack e Hillary só têm uma palavra! Mas diga lá, alguma vez nós, amigos americanos, que colocámos nossos filhos na sua terra, para vos defender, apoiar, orientar, lhe chamámos FRACO e ao seu irmão, o grande  Ahmed Wali, "barão da droga corrupto"?
- Quem disse isso, Hillary? Isso é coisa de russo! Vocês são irmãos para mim! 
- Claro, Hamid. Crime provado!

- Continuamos com os nossos fortes aliados portugueses. Temos muitos, mas escolhemos apenas três: o Sr. Presidente da República, o Sr. Primeiro Ministro, o Sr. Ministro dos Negócios Estrangeiro:
 - Caro José, começando por si: que tem a dizer relativamente ao divulgado "líder carismático que trabalhou duro para melhorar o seu inglês. ... Socialista moderado e pouco disposto a partilhar o poder."
- Bom, Hillary, aqui não está em causa se vocês disseram ou não. Esses fulanos da Wikileaks são uns patifes. Eu e o meu governo apoiamos inteiramente a vossa causa, friso isso. -  a esta altura o PM remexia-se pela enésima vez na cadeira e ajeitava a gravata, vermelha.  Mas eles,  - continuava - tirando essa parte de não gostar de partilhar o poder, porque até gosto, sou um homem de esquerda, eles até estão certos. Mas friso, estou ao vosso dispor.  Que precisam? Cimeiras, bases, tropas, ...Blindados! Precisam?

- Bom, senhor Presidente , considera que a administração Norte Americana alguma vez  terá "distinguidos seus esforços em ser um mandatário bipartidário e considerado o político mais popular em Portugal"?
- Minha  senhora Hillary, há uns anos atrás, mais precisamente em 2007,  estive na Casa Branca, de visita oficial, e não fui recebido na Sala Oval, sabe. Sou do povo, mas subi a pulso, com muito esforço. Por acaso  fui fazer a rodagem do meu carrito à Figueira da Foz, fiz um discurso e a coisa pegou. Fui eleito democraticamente. Fui Primeiro Ministro ai durante dez anos, candidato-me ao segundo mandato, mas não sou politico profissional. Já fomos ao Vaticano e SS recebeu-nos, a nós e aos nossos netinhos. Nunca  esquecerei a atitude do vosso Presidente! São coisas que caem mal. Eu e a minha Maria jamais esqueceremos tamanha humilhação!
Posto isto, não, não acredito que o tenham dito!
- Provado mais uma vez o ataque aos Estados Unidos!

- Sr. Ministro dos Negócios Estrangeiros, como considera o telegrama divulgado "vantajoso para os Estados Unidos continuar a acariciá-lo muito  devido ao delicado equilíbrio que o ministro está a tentar fazer"?
- Uma ofensa à minha masculinidade! Processo-os!! 
- Não se irrite, caro Amado, não se irrite. Todos o compreendemos. Provado mais uma vez!

- Mas nada escapa a estas mentes imundas. Senhores e senhoras, o Cardeal Tarcisio B., em representação do Vaticano.
- Cardeal, " Sistema de comunicação repleto de fracassos e lentidão. .. Vaticano é um sistema de poder monárquico, milenar, fechado, provinciano e antiquado". Acredita que a nossa administração alguma vez tenha sequer pensado algo semelhante sobre a Santa Madre Igreja?
- Minha senhora, jamais poderíamos acreditar em tais afirmações. Concordamos inteiramente com Copérnico e a Teoria Heliocêntrica, aceitamos a teoria atómica de Neils Bohr que já data de 1911, divulgámos ao mundo o terceiro segredo de Fátima, e a prova provada que refuta todas essas afirmações caluniosas, o Santo Padre admite o uso daquela película de latex, para preservação da vida. Creio que podemos dizer que reunimos todas as provas que permitem considerar esse Julian Assange é um feiticeiro, um herege punível com a fogueira!

-Exacto, Cardeal. E para mais arranjou-se um crimezinho de abuso sexual. Vai ver que os crimes dos seus rapazes  ao pé dos deste Julien são peanuts!
Meus senhores, este foi o programa "Tardes da Fátima" e eu sou a Hillary C,
Até à próxima



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Money

Ai, que coisa....!! 
A borboleta que me tiraram do pescoço parece que se instalou bem no meio do estômago. A culpa é toda desse senhor Marck Z. não sei das quantas, ex estudante da  famosa Universidade de Havard e segundo as más línguas o mais jovem multimilionário do mundo.
Ascendência judia, lourote, espertalhão, despretensioso, não liga pévia ao money.
Soube de fonte segura e que a Wikileaks já confirmou, que acabou de doar metade dos seus 26 mil milhões de triliões de não sei de que moeda, mas certamente uma moeda mas poderosa que o congelado euro português, para a caridade. Dos States.
Isso é que não... !!
Afinal eles tem um Barak,  que significa esperança, para que é que precisam de 13 milhões de biliões que é o número do azar?
Nós sim, que temos um Sócrates, que sempre significou filosofia e que agora se aliou a um Alegre que antes de aparecer este significava palhaço, mas agora está conotado com poesia. Imagine-se filosofia com poesia..., bem precisávamos dos 13 milhões de biliões, para ver se desazaravamos a coisa...
Qual Belmiros ou Amorins, este rapazote é um mimo, com os seus muitos triliões, não dá cavaco a ninguém!
Já nós por cá, com estas combinações, damos cavaco a troco de uns euritos (congelados), ou poesia a troco de filosofia (barata).
Já não tenho barak (esperança).

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Corrupção em estado embrionário

Dizem que hoje se celebra o dia mundial da corrupção. Ou será da luta contra a corrupção? 
Bom, depende sempre do ponto de vista. Para os que se abotoaram à la carte, ou em self service,  a salpicar de vírgulas os normativos legais e outros diplomas que tais, então temos a comemoração do dia mundial da corrupção; para os outros, quase sempre a maioria, que não souberam usar desses expedientes e que, coitados, nunca  entraram no gabinete do presidente da EDP  para perguntar onde era a sede do BCP, para esses, dizia eu, celebra-se o dia mundial da luta contra a corrupção.
Mas prelúdios à parte, queria-vos deixar uma história, a propósito de corrupção, contada na primeira pessoa. 
Sem sal nem pimenta.


Há uns anos atrás, era eu presidente da minha escola, (um cargo que jamais dará azo a corrupções), uma escola básica de 2º e 3º ciclos, relativamente calma, quando, pelas oito e pouco da manhã, o guarda da segurança me bate à porta do gabinete.
Trazia-me um rapazinho, do 5º ano, que deveria ter os seus 10 aninhos, rechonchodinho, encasacado do frio, de faces coradas, de olhos muito abertos, cujo nome já não me recordo.

- Srª Drª, este menino foi apanhado com esta faca de mato da mão, aqui no páteo da escola. Trago-o até aqui para que a Srª Drª tome conhecimento, uma vez que ainda não está a Drª X ( a minha colega encarregue da parte discipinar, na altura).

- Ora muito bem, o que é que este menino trouxe para a escola?

- Eu.... -  tentou o rapazito dizer

- Eu....? Eu, nadíssima de nada! Já lhe dei ordem para falar? 

- Não Srª...

- Como é que o menino se chama?

- Zacarias.

E escrevi o nome num papel. 

- Nome do pai?

- Melaquíades.

Vá de assentar, com fulgor.

- Nº de telemóvel do pai do menino?

- 123456789

Continuava a rabiscar, no mesmo papel, a tinta vermelha, com traços por baixo.

- Turma?

-5º Z

- Ora muito bem, então agora diga lá o que é que aconteceu.
- Eu, ...eu, eu vinha para a escola, vinha devagar, a olhar para o chão e encontrei a faca no meio do caminho. Meti na mala para quando chegasse à escola entregar ao funcionário - cuspiu o rapazito, tudo de rajada.
- Bom, então quer que eu acredite que o menino Zacarias encontrou esta arma branca no meio da rua e a introduziu-a dentro do recinto escolar? -  e pegava numa fita métrica, media a lâmina da faca que, efectivamente tinha 10cm, bem em frente dos olhos do Zacarias.
- Sr. Guarda, em que circunstâncias é que confiscou a arma? - perguntei ao guarda
- Ele estava a mostrá-la aos amigos, no páteo.
- Então por quantos funcionários passou, menino Zacarias?
- Muitos. (ainda não havia contenção..)

- Muitos! Muitos funcionários com uma arma branca dentro da sua mochila!E caladinho que nem um rato!

- Sabe o que é que isto dá? Isto vai direitinho para o seu processo, para o seu cadastro! 
Fica cadastrado. Daqui, o cadastro,  vai segui-lo para o secundário, para a tropa, para a vida civil.Isto é grave!
É o chamado porte de arma branca. Já ouviu falar? 

- Não, não ouvi.

- Já chamámos a GNR  para vir recolher a arma, não a podemos ter na nossa posse (o que até era verdade)- continuava eu -  Portanto, vou telefonar imediatamente aos seus pais, dando conta que o menino introduziu uma arma branca dentro da escola, mais concretanmente uma faca de mato, com uma lâmina de 10cm,  arma essa que diz ter encontrado na rua e de todos os procedimentos legais que vamos ter que iniciar.

A esta altura do campeonato, o menino Zacarias que devia medir ai 1,40m, pôs-se em bicos de pés, acrescentou uns 10cm ao seu tamanho até chegar a metro e meio de gente, apinhou os pulmões de ar, deu um passo firme em direcção à minha secretária, assentou nela as duas mãos sapudinhas e já transpiradas, aproximou a cabeçita de mim e com toda a convicção do mundo perguntou-me:

- Quanto é que quer para ficar calada?

domingo, 5 de dezembro de 2010

Novo tipo de declarações de amor...

A tradição já não é o que era, definitivamente.
As raparigas, felizmente,  estão cada vez mais emancipadas e conhecedoras das mais-valias...
Não resisti...

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Parabéns ao SHE



Imperdoável!! 
Que mãe mais ranhosa que eu sou! Nem com o blog me consigo redimir enquanto mãe! 
Então não é que o meu SHE faz hoje um ano, um aninho de vida, e só a estas horas, 23:23, é que eu me lembrei?
Exactamente, foi no dia 1 de Dezembro de 2009, a jeito de restauração do meu diário de bordo, que parejei o SHE.
Parabéns, ó filhote mais novo! 
Adoro-te! És um dos meus maiores orgulhos :-))

Ana (mãe babada)