by Ana

Um espaço para partilhar as "tolices" de cada dia, de uma forma descontraída, descomprometida e com algum sentido de humor. Only that.

domingo, 29 de maio de 2011

Republicanices



e reparem que a Sua Majestade bebe água!!

P:S: Pior do que esta (discursar durante o hino) foi o Marocas indicar o caminho a Sua Majestade através de "toques" nas costas. Não sabia que as costas de Sua Majestade eram intocáveis.
Coisas de republicanos, laicos e socialistas...

sexta-feira, 27 de maio de 2011

O meu caso sem Facebook



Foi já há algum tempo, há um bom par de anos atrás ou talvez mais, mas nunca escrevi sobre tal, nem escreveria, pois, como diz a canção, recordar é viver, é há coisas que nem mesmo eu, com todo este ar desempoeirado e esta forma leve e fresca de combater as dores prenhas da vida,  consigo viver duas vezes.
Agora, de um momento para o outro, eis que me entra pela casa adentro, cada vez que ligo o PC, ou a televisão ou abro um jornal (ainda tenho o hábito de os ler em papel, vá-se lá saber pq...), uma execrável  história de um filme colocado no facebook, sobre uma cena de violência sobre uma adolescente.
Há dois/três anos atrás, uma amiga minha convidou-me para tomar o pequeno almoço. 
Enquanto se encaminhava para o meu café preferido, disse-me que tinha uma coisa a contar-me sobre os meus filhos mais novos. Com muita calma, pé-ante-pé, depois de parar o carro, contou-me que um grupo de rapazes de cor mais duas raparigas tinham feito uma espera aos meus filhos e dado-lhes uma sova, dois dias antes. Que tudo tinha acontecido à saída da escola, perto da mesma, cerca das sete da tarde (no Inverno). Que tudo se tratava de ciumes por causa de um rapaz que andava atrás da minha filha e a suposta namorada havia tratado de arranjar maneira de a afastar dele. Que a rixa começara quando as  duas raparigas esperaram a minha filha numa ombreira dum prédio, a puxaram pelo o cabelo e a começaram a agredir. Que o irmão, que a acompanhava de volta a casa, intercedeu a favor de irmã, quando o grupo de rapazes de cor, apareceu e começou a agredi-lo, também. Que a isto só parou porque chegou alguém (um adulto) e perguntou o que se passava, o grupo "contratado" fugiu e os meus filhos foram conduzidos até à porta de casa por esse "alguém".
Não queria acreditar no que estava a ouvir. Recusava-me acreditar no que acabara de ouvir. Não podia ser! Os meus filhos? Não, não pode ser!
Pedi à minha amiga que me levasse até à escola deles. Interrompi-lhes as aulas. Agarrei-me a eles a chorar, mal os vi. Depois, olhei-os de alto a baixo, trouxe-os para casa, quis ouvir da boca deles o que se tinha passado. Aliás, queria ouvir que tudo o que a minha amiga dissera era um engano. Mas não. Tudo tinha sido assim, era verdade. O pai sabia e o corpo deles mostrava que sim.
Não consigo descrever o que senti, porque não há palavras para descrever tamanha revolta, tamanha indignação, tamanha impotência. Todos os meus problemas se relativizaram; todos os problemas do mundo se amesquinharam; aquela agressão bárbara não me saía da cabeça noite e dia. Apresentei queixa na polícia, mas não sabia nomes dos rapazes, ...não chegou ao DIAP.
Quanto às raparigas, alunas da mesma escola, apresentei queixa na escola e também na PSP, mas eram menores e em ambas as situações não havia testemunhas. 
Agora, quando vi esta gravação que colocaram no facebook a abrir telejornais... .Dói, mas dói mesmo.
Nem quero imaginar a dor daqueles pais. Eu só vejo se me apanharem distraída.
Disse.




domingo, 22 de maio de 2011

Músicas da nossa vida

A minha música preferida de todos os tempos é a SHE. É tão preferida, mas tão preferida mesmo, que acho que se um dia tiver um yate, ou um jactozinho, lhes vou pôr o nome de SHE.
Mas isso toda a gente já sabe. Vero?
A seguir vem uma outra, bem velhinha, mas que marcou  uma fase da minha vida. 
É esta:
Por vezes dou por mim a ouvi-la e ouvi-la e ouvi-la e ouvi-la e ouvi-la...
E vocês, qual a vossa música preferida?

sexta-feira, 20 de maio de 2011

A mulificação


A verdade é que já vai no 6º ano consecutivo, mas a verdade também é que só agora me bateu à porta.
E outra verdade mais verdadeira ainda é que, como diz o povinho, só quando nos bate à porta é que sabemos como elas amargam, ou doem, ou lá como queiramos chamar. 
Não, não é a crise. 
É a "mulificação" que fizeram de nós, profs., com esta "estória" das provas de aferição.
Ai não sabem?
Então eu conto. 
Os alunos foram prestar provas que não servem para mais nada senão que para aferir o sistema que todos nós sabemos que está mais do que desaferido por natureza. 
Depois, nós, profs, somos chamados a umas reuniões onde nos são comunicados códigos de aferição (nunca cotações). Desde que o aluno saiba pintar de azul o céu e de verde a terra, tem direito à atribuição de um código. Se pintar sem ultrapassar o risco do horizonte, o código começa por 3, se ultrapassar em 3 milímetros, o código começa por 1, mas se  ultrapassar em   um milímetro, o código começa por 2. E outras coisas assim, por ai fora, que nós, profs, não podemos discordar, temos de aferir com todo o cuidado e rigor, a bem da nação.
O mais interessante é que a par de 45 provas de aferição, com uma média de 40 perguntinhas cada, para codificar, temos as nossas aulinhas para preparar e para leccionar, os nossos testes para fazer, aplicar e também corrigir, mas estes vão contar para a nota do menino e ainda uma dezena de manuais escolares para escolher, com todo o cuidado e rigor, pois vão vigorar nos próximos seis anos. 
Ah! esqueci-me que também continuamos a tentar ter vida própria, mas só tentar, claro.
Hã? O quê? Quanto nos pagam a mais? Mas não leu lá em cima "mulificação"?

domingo, 15 de maio de 2011

Eu sou D.U.R.O.!


Ao fim e ao cabo, depois de facadas e ataques bombistas radioactivos, venci o intruso, o bicharoco maldito e juntei-me aos bravos D.U.R.O's.

Doentes que
Ultrapassaram
Realidade
Oncológica

É caso para dizer:  Não venham eles, mas se voltarem, vou vencê-los!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

O amarelo fica-me bem...


Ao passar junto do Estádio de Alvalade, começo a ouvir um barulho semelhante a um bombardeiro.
Será que o SCP contratou o André Vilas- Boas?
Será que a Al-Qaeda retaliou?
Será que tenho um Concorde a cair em cima de mim?
Nã... é tão somente um pneu furado, coisa pouca, na segunda circular e a hora de ponta!
Manual de instruções:
- pega-se no telemóvel e telefona-se para a primeira figura masculina que vem à cabeça (o papá)
- saí-se do carro, procura-se o triângulo e o colete no meio da confusão do porta-bagagens
- veste-se o colete
- coloca-se o triângulo a 10m de distância
- encostamo-nos ao carro, com o nosso melhor sorriso e espera-se que algum cavalheiro se ofereça para acudir, enquanto se forma uma monumental fila na 2ª circular
- 2 minutos depois,... voilá



Só que para azar dos távoras, o pneu suplente estava também furado.
Seguindo o plano B do manual de instruções:
- Telefona-se novamente ao papá
- Chama-se o reboque
- e espera-se.

Entretanto, aprecia-se a confusão que um pneu furado consegue criar na dita artéria de circulação da capital,
acena-se para as câmaras de vigilância e controle do trânsito, falamos com as sucessivas brigadas da autoridade que vão chegando, avaliamos o parque automóvel (em altura de crise), que vai desfilando à nossa frente,  e testa-se o efeito que uma lady vestida com um colete amarelo fluorescente causa no transeuntes.
Ah! depois de tudo, deixei o triângulo esquecido no meio da 2ª circular.

domingo, 1 de maio de 2011